quinta-feira, 20 de outubro de 2016

terça-feira, 17 de novembro de 2015

Base Nacional Curricular Comum






Neste espaço, vamos discutir os enfoques e os objetivos propostos pela Base Nacional Curricular Comum, para então formularmos nossa proposta a tempo de ser enviada para o MEC. O Prof. Dr. Gilberto Cézar de Noronha (INHIS/UFU), que nos apresentou o documento na formação contínua do mês de novembro e deu início ao debate sobre o mesmo, vai acompanhar nossa discussão e nos auxiliar na redação final da proposta.

Para contribuir com a discussão, acesse a postagem correspondente a cada ano de ensino, leia os objetivos e escreva seu comentário.

Participe! Sua opinião é muito importante!

BNCC - 6º Ano

Procedimentos de Pesquisa

CHHI6FOA062
Utilizar tecnologias para acesso às fontes históricas (dados, registros, documentos e narrativas) em pesquisas sobre acontecimentos passados.
CHHI6FOA063
Identificar fontes históricas, tais como documentos pessoais, fotografias, narrativas orais, escritas e iconográficas e materiais audiovisuais, reconhecendo-as como ferramentas para a produção de evidências e posterior formulação de narrativas sobre o passado, ampliando o vocabulário historiográfico e a compreensão sobre o passado do local ou da região em que vive, do Brasil e do mundo.
CHHI6FOA064
Organizar e selecionar informações coletadas em diferentes suportes, tais como listas, diários, biografias, que expressem o protagonismo de diferentes sujeitos e possibilitem a construção de narrativas históricas, utilizando-as para ampliar o vocabulário historiográfico e a percepção sobre mudanças e permanências nas histórias locais, da região em que vive, do Brasil e do mundo.
CHHI6FOA065
Comunicar criativamente, por meio de múltiplas linguagens, resultados de estudos e pesquisas acerca dos processos de colonização ocorridos nas Américas, com ênfase na colonização portuguesa.

BNCC - 7º Ano

Procedimentos de Pesquisa

CHHI7FOA078
Utilizar tecnologias para acesso às fontes históricas (dados, registros, documentos e narrativas) em pesquisas sobre acontecimentos passados, selecionando informações considerando o contexto de sua produção.
CHHI7FOA079
Identificar sujeitos e processos históricos relacionados à formação do povo brasileiro em diferentes fontes, tais como documentos oficiais (listas de imigrantes, documentos censitários, registros paroquiais entre outros), documentos pessoais, fotografias, narrativas orais, escritas e iconográficas e materiais audiovisuais.
CHHI7FOA080
Comunicar, por meio de múltiplas linguagens (musical, dramatúrgica e telemática entre outras) resultados de pesquisas acerca de sujeitos e processos históricos relacionados à formação do povo brasileiro situados entre os séculos XVI e XXI.

BNCC - 8º Ano

O Sujeito e o Mundo

CHGE8FOA001
Identificar a diversidade e a territorialidade dos povos formadores das América(s) e África(s).
CHGE8FOA002
Identificar usos e impactos das tecnologias nos processos produtivos das sociedades americanas e africanas e suas interferências na vida cotidiana.
CHGE8FOA003
Compreender contextos históricos da emergência das ideias de africanidade, latino-americanidade, norte-americanidade e suas implicações no mundo contemporâneo e no seu cotidiano.

BNCC - 9º Ano

O Sujeito e o Mundo

CHGE9FOA001
Conhecer a organização do espaço geográfico mundial e as relações econômicas e políticas entre as nações do planeta e entre essas e seus lugares de vivências.
CHGE9FOA002
Caracterizar dinâmicas da natureza nos aspectos geológicos e geomorfológicos, relacionando as marcas desses processos e conexões ambientais aos seus lugares de vivências.
CHGE9FOA003
Identificar a presença de trabalho, ideias, valores culturais, tecnologias oriundos de diferentes contextos, relacionando essa presença a questões econômicas, políticas e culturais que afetam a dinâmica socioespacial em seu contexto próximo.
CHGE9FOA004
Identificar arranjos e acordos internacionais econômicos, políticos e ambientais, analisando seus desdobramentos nos lugares de vivências e no Brasil.

quarta-feira, 20 de maio de 2015

Formação Continuada no CEMEPE - Encontro de 20/04/2015



O mês de abril teve dois encontros da formação continuada: além da formação do dia 13, no dia 20 recebemos a visita de um grupo de dez indígenas na etnia Xavante, moradores da Aldeia Xavante , localizada na Terra Indígena São Marcos, em Barra do Garças-MT.

O grupo, liderado por Gaspar Waradzéré Tsiwari, veio à Uberlândia através de um convênio com a Fundação Saúde do Município de Uberlândia (FUNDASUS). Os indígenas participaram de diversos eventos em escolas municipais, no Museu do Índio, na Universidade Federal de Uberlândia e o dia 20 foi reservado para uma apresentação no CEMEPE.

Na parte da manhã, os indígenas conversaram com os professores presentes, respondendo dúvidas a respeito de sua cultura e da vida na aldeia. O bate-papo foi finalizado com a apresentação de uma dança no pátio do CEMEPE:

video

Conversei com o senhor Gaspar e perguntei o significado desta dança: ele disse que ela é feita na abertura de festas, antes de iniciar outras danças, e que mulheres também podem participar.

Na parte da tarde, o bate-papo contou com a presença de vários alunos de escolas próximas ao CEMEPE: EMEI Pof. Horlandi Violatti, EMEF Amanda Carneiro Teixeira e EMEF Prof. Otávio Batista Coelho Filho. Os alunos fizeram muitas perguntas aos indígenas e estavam bastante interessados. Alguns até participaram das danças. Veja os vídeos abaixo:


video


video


video


video

Tive a oportunidade de conversar com o senhor Gaspar no intervalo do almoço e fiz algumas perguntas para ele sobre a escola que ele dirige na Aldeia Xavante Namunkurá e a vida no local:

"Eu tenho vinte anos lecionando na minha escola. A diferença que eu vejo é muito grande, porque eu já estudei em escola de brancos. Eu sofri, fiquei isolado no cantinho da sala, mas ninguém me ajudava. Mas tinha uma senhora, coordenadora pedagógica, que me ajudava muito e eu aprendi. Mas é difícil, aluno branco despreza, deixa no canto. Quando eu ensino, tenho que cuidar dos meus próximos na escola. Este ano fiquei como diretor da escola, tenho coordenador pedagógico. Quanto fui coordenador pedagógico, corria atrás dos alunos para ensinar sobre o mundo globalizado e a tecnologia.
Nossa escola não tem incentivo da prefeitura, fica afastada, tem problemas. Meu irmão fazia faculdade de Serviço Social mas trancou, porque tinha que arcar com todos os custos e não conseguiu. O que está escrito nos livros de História está errado, porque nossa vida é difícil e os governos não ajudam.
As crianças só ficam na escola da aldeia, porque a aldeia é muito afastada (a cidade mais próxima, Barra do Garças, fica a 250 km de distância). As coisas na escola são bem improvisadas; no começo, tivemos ajuda do governo para construir o prédio, mas depois não recebemos mais nada. Na escola, as crianças aprendem coisas sobre sua cultura, mas também estudam a lei, a Constituição e o governo.
O prédio da escola foi construído pela prefeitura, mas está inacabado; faltam carteiras suficientes, porque são muitas crianças (a escola é para alunos a partir de 5 anos). Tem um computador na escola, mas na aldeia não tem energia elétrica. 
A nossa aldeia é formada por quarenta e uma ocas, o posto de saúde e a escola, e fica em uma área demarcada formada por quarenta e oito aldeias. As famílias são muito unidas, os idosos são muito valorizados. Fazemos assembleias no fim do dia para decidir as coisas da aldeia. As mulheres não participam das assembleias, só podem dar suas opiniões para os maridos."

Fotos do encontro - turno manhã:
























Fotos do encontro - turno tarde:











terça-feira, 28 de abril de 2015

Formação Continuada no CEMEPE - Encontro de 13/04/2015


No dia 13 de abril de 2015, foi realizado o primeiro encontro da Formação Continuada dos Professores de História no CEMEPE com a formadora Renata Silva Ramos. Neste dia, deu-se início a um resgate histórico da trajetória da área na instituição, feito a partir de relatos dos professores presentes na reunião. O objetivo é traçar um diagnóstico que aponte o que já foi feito e o que ainda precisamos fazer. Também começamos a levantar as demandas formativas da área, para identificar os temas que devem ser abordados pelo planejamento de nossa formação de 2015 e 2016.

O encontro também possibilitou o esclarecimento de algumas dúvidas referentes ao Plano de Cargos e Carreiras da PMU e ao Diário Eletrônico, com a participação de profissionais de diversos núcleos do CEMEPE.

Agradecemos a todos os participantes e pedimos sua ajuda para convidar os outros professores de História. Precisamos da presença de todos para fortalecermos nosso espaço de formação e debate!

Até o próximo encontro!

Formação continuada CEMEPE - Encontro de 13 de abril 2015 (manhã) 

Formação continuada CEMEPE - Encontro de 13 de abril 2015 (manhã)

Formação continuada CEMEPE - Encontro de 13 de abril 2015 (tarde)

Formação continuada CEMEPE - Encontro de 13 de abril 2015 (tarde) - Explicações sobre o Diário Eletrônico


quarta-feira, 11 de março de 2015

Nova representante da área de História no Cemepe


O grupo de professores de História, reunidos no dia 09/03/2015, referendou o nome da professora Renata Silva Ramos para representante da área no Cemepe. Em breve, ela deverá estar disponível para os atendimentos. Por enquanto, ela ainda está atuando nas escolas Sebastião Rangel e Maria Regina Arantes.

Boa sorte e bom trabalho!